SAIBA MAIS
  Justiça - Entrevista

Juíza Paula Maurícia Brun fala sobre os três anos em que atuou na Comarca de Caçapava

Tramitação de processos, quadro de servidores no Fórum e a acolhida na cidade são alguns dos assuntos abordados na entrevista. Confira

Por farrapo.rs
12/03/2018 10:49
 

Juíza Paula Maurícia Brun durante juri realizado em 2017 (Foto: Arquivo/Farrapo)
Três anos. Este foi o tempo de atividade da Juíza Paula Maurícia Brun na Comarca de Caçapava do Sul. Em entrevista para a Farrapo, a Juíza fala sobre a tramitação dos processos na 1ª e 2ª Vara, agradece pela parceria com outros poderes e instituições e salienta que hoje o Fórum está com quadro de servidores completo.

A próxima Comarca que a Dra. Paula irá assumir será a de Butiá, já neste mês. No dia 2 de abril, assumirá a segunda Vara da Comarca de Caçapava, o Dr. Júlio César Almeida. Confira a entrevista.


Farrapo - Como deixa a Comarca de Caçapava do Sul?
Juíza Paula Maurícia Brun -
Quando assumi em Caçapava do Sul, na Primeira Vara Judicial tramitavam 4.777 processos, sendo que desde então foram ajuizadas 1.893 ações e extintas 2.404. Importante salientar que estes números se referem apenas a Vara que sou titular. Hoje tramitam na Primeira Vara 5.339 processos.

No Fórum de Caçapava do Sul ainda tramitam 924 processos de competência do Juizado Especial Cível e Juizado Especial da Fazenda Pública, 173 Processos de Execução Criminal, 310 processos de competência do Juizado da Infância e Juventude, 118 processos da Direção do Foro e 7.302 processos de competência da Segunda Vara, ou seja, todos os processos que tramitam no Fórum totalizam 14.166 .


Farrapo - Quando assumiu a Comarca de Caçapava do Sul?
Juíza Paula Brun - Assumi como titular na Primeira Vara Judicial de Caçapava do Sul em novembro de 2015. Desde abril de 2017 atuo nas duas varas em razão da ausência de juiz titular na segunda vara.

Farrapo - Como está a estrutura física do Fórum?
Juíza Paula Brun -
Desde que assumi uma das minhas preocupações foi assegurar aos servidores melhores condições de trabalho. No entanto, diante da crise do Estado, que consequentemente afeta o Poder Judiciário, os planos para a construção de um novo prédio tiveram que ser adiados pela Administração. A Comarca recebeu móveis novos o que assegurou uma melhora no ambiente de trabalho dos servidores e daqueles que frequentam as dependências do Fórum.

Alguns móveis antigos já foram doados para escolas, entidades assistenciais, Delegacia de Polícia, Brigada Militar e Prefeitura Municipal. Existem, ainda, alguns móveis para serem doados para as entidades que encaminharam pedido, sendo que a liberação está aguardando autorização da Presidência do Tribunal de Justiça.


Farrapo - No Poder Judiciário também há dificuldades em se tratando de falta de pessoal? Como é o caso de Caçapava?
Juíza Paula Brun -
A administração do Tribunal de Justiça, em que pese a crise financeira do Estado, não mediu esforços para que novos servidores fossem contratados. Especificamente sobre Caçapava do Sul, quando assumi havia um déficit de servidores que se agravou no final de 2016 quando muitos servidores se removeram ou aposentaram. O Fórum de Caçapava ficou com apenas dois servidores em cada um dos cartórios e dois estagiários. Em meados de 2017 tomaram posse cinco novos servidores e dois oficias de justiça o que permitiu agilizar a tramitação processual. Hoje o quadro de servidores está completo.


Farrapo - O que motivou a transferência?
Juíza Paula Brun -
A transferência de Comarca é natural da carreira dos Magistrados e decorre da minha aprovação em edital de remoção.


Farrapo - Quem irá assumir em Caçapava? Quando?
Juíza Paula Brun -
No dia 2 de abril, assumirá na segunda Vara o Dr. Júlio César Almeida e estamos aguardando o julgamento do edital de remoção para a Vara da qual estou saindo, ou seja, provavelmente, em breve a Comarca terá dois juízes titulares.


Farrapo - Que sentimento fica da cidade?
Juíza Paula Brun -
Gostaria de agradecer toda a acolhida que recebi nesta cidade, a parceria estabelecida com Poder Executivo, Legislativo, Presídio, Ministério Público, Defensoria Pública, OAB, Polícia Civil e Militar, pois sempre que demandados todos não mediram esforços colaborar com a prestação jurisdicional.

E acredito que o crescimento da comunidade depende do envolvimento de todos os setores passando por um agir integrado que vise atuar na causa dos problemas indo além de remediar suas consequências. Acredito que o tecido social de Caçapava esteja preparado com pessoas capacitadas para a superação deste imenso desafio. As instituições funcionam, as associações são ativas, os Poderes interagem e o espírito do cidadão caçapavano é desenvolvimentista e humano.

Por Eduardo Schneider


Por farrapo.rs

Farrapo