Opinião

Remaldo Cassol questiona: Calçada, de quem é?

Por farrapo.rs
17/01/2018 08:52
 

Remaldo Carlos Cassol Escritor

O escritor Remaldo Carlos Cassol, 75 anos, se interessou por literatura por influências do pai. Estudou em Porto Alegre, onde se formou na Pontifícia Universidade Católica. Em Caçapava do Sul foi patrono da Feira do Livro em 2010 e exerceu o cargo de presidente em diversas entidades como Ascai e Patronato. Também esteve à frente das Lojas Maçônicas Coronel Coriolano Castro – recuperação e perfeita fraternidade. No Espaço do Poeta, o escritor participará uma vez por mês com textos de diversos assuntos, entre eles, política.

Estamos diante de um fato realmente sem a mínima consideração com os transeuntes de nossa terra. Começamos com a dificuldade de sair da calçada e atravessar a rua. Carros estacionados fora do limite permitido. Os pontos de estacionamento rotativos principalmente em frente às farmácias são desrespeitados. Locais de carga e descarga, também são privilégio de alguns.

Espaços destinados aos idosos ou portadores de deficiência física estão sempre ocupados por pessoas inescrupulosas, sem o mínimo respeito a quem precisa. “Faixas de segurança para pedestres é salve-se quem puder, quando ainda não são xingados”. Lamentavelmente chegamos a um ponto difícil de reverter: o costume e a desobediência superam a lei.

E as nossas calçadas. Raro lugar está em perfeita condição de trafegabilidade dos transeuntes, inclusive nos órgãos arrecadadores e fiscalizadores destes locais. Os menos favorecidos com os passeios públicos são realmente os que mais usam a via pública. Estudantes trabalhadores e demais seguimentos do povo vem das periferias sem nada de calçadas, enquanto os automóveis no asfalto.

Para caminhar em nossas calçadas principalmente nas ruas centrais, só em “zigue zague”, tamanha é a quantidade de placas de propaganda. Algumas obstruindo metade do passeio público. Hoje são colocadas lajotas diferenciadas para pessoas com deficiência visual terem melhor maneira de orientação. Nem isto é respeitado, carros ficam estacionados no logradouro e os coitados dão de encontro com forte obstáculo.

Fiscalização, quando exercida, a revolta chega até nossos representantes que deveriam estar atentos com problemas simples de resolver e de grande utilidade para nossos contribuintes.

Remaldo Cassol


Por farrapo.rs

Farrapo